fbpx

5 Estratégias para lidar com a frustração das crianças 

Frustração + crianças

As crianças desenvolvem sentimentos que, por sua vez, geram respostas emocionais variadas. Estes são modelados pelo meio envolvente e pelas vivências dos mais pequenos. A frustração é um desses exemplos e pode evidenciar-se de formas muito particulares. 

Não raras vezes, os pais e os educadores têm dificuldade em relacionar-se com o sentimento de deceção nas crianças. Mas é importante ter consciência que, a forma como se lida com o comportamento dos miúdos modela o reaparecimento dessas emoções, resultando em efeitos positivos ou negativos. 

É muito provável que, ao longo da vida, a criança desenvolva sentimentos de frustração perante diferentes circunstâncias. Normalmente, são o resultado da sensação de incapacidade em atingir certas expectativas. É ao adulto que compete assumir o papel determinante de moldar os comportamentos que os miúdos evidenciam. 

 

O papel da frustração no crescimento

A frustração é uma resposta emocional muito comum nas crianças. Normalmente, surge em consequência de expectativas previamente definidas e que, por alguma razão, acabam defraudadas. 

Sentir tristeza e desilusão faz parte do processo de crescimento e é fundamental que a criança aprenda a viver com isso. Até porque, ao longo da vida, certamente vai passar por momentos que causam desapontamento.  

Muitas vezes, os adultos, numa atitude de superproteção, evitam que as crianças experienciem certas emoções. Ao sentirem que os filhos têm dificuldade em lidar com a frustração e o desapontamento, criam um ambiente ilusório para não os contrariar. 

Contudo, é importante que, desde cedo, os mais pequenos aprendam a enfrentar as diferentes emoções, pois só assim conseguirão trabalhar o autocontrolo. Se a criança, perante a frustração, reage com amuos, birras e chantagens, essa é uma situação a trabalhar com ela e não de ignorar. 

 

5 Estratégias para gerir a frustração das crianças

O temperamento varia de criança para criança. Mas, regra geral, a frustração tende a gerar emoções negativas. No entanto, é possível trabalhar este sentimento junto dos mais pequenos e fornecer-lhes ferramentas, como a resiliência e o reforço positivo, que os ajudam a superar as dificuldades. 

É importante que os mais pequenos aprendam a lidar com estas situações, competindo aos pais e aos educadores apoiá-los no desenvolvimento da sua inteligência emocional. 

De seguida, apresentamos algumas dicas para ensinar o seu filho a lidar com a deceção. 

 

1. Reflita sobre as suas próprias expectativas

Os fatores que geram stress e frustração nas crianças são, não só as próprias expectativas, como também as dos pais. Há famílias que, consciente ou inconscientemente, projetam determinados objetivos que geram ansiedade nos mais pequenos, algo que tende a dificultar-lhes a gestão das suas emoções. Por isso, é fundamental que, enquanto pai ou mãe, reflita sobre a pressão que pode estar a impor à criança. 

 

2. Não contrarie o surgimento de certas emoções nas crianças

Como já foi referido, evitar que a criança experiencie certas emoções é errado. Não só a impede de desenvolver a sua inteligência emocional, como também pode colocar em causa o futuro a nível escolar, profissional, relacional, entre outros. Fale frequentemente sobre estas sensações. No caso da frustração, explique ao seu filho que nem sempre é possível atingir aquilo que se pretende e que devemos aproveitar esse momento para redefinir os objetivos.  

 

3. Trabalhe a resiliência da criança

Um exercício extremamente positivo no crescimento da criança é promover a resiliência perante emoções negativas. É o momento ideal para orientá-la a lidar com a derrota e a mobilizar-se na redefinição de objetivos. Faça-a perceber que nem sempre é possível conseguir aquilo que se quer. Aposte no reforço positivo, mostrando e dando-lhe ferramentas para conseguir lidar com a frustração e o insucesso. 

 

4. Fale com frequência sobre as emoções

Outra estratégia para evitar e ajudar as crianças na frustração é falar, de forma natural e tranquila, sobre emoções e sentimentos. Incentive-a a partilhar aquilo que sente, assumindo uma postura atenta e sem fazer juízos de valor. Adote sempre um discurso positivo, ajudando o seu filho a fazer uma leitura mais positiva das situações que lhe geram desapontamento. 

 

5. Ajude-a a acalmar

Nos momentos em que a criança está mais tensa, ajude-a a acalmar usando a técnica da respiração. Peça para que ela inspire profunda e lentamente, soltando o ar como se estivesse a soprar para uma vela. Faça com que ela repita algumas vezes, até se sentir mais calma.  

 

Para mais dicas sobre como pode ajudar o seu filho a gerir as emoções, subscreva o blog do Externato Champagnat! 
 


 

Deixe uma resposta