fbpx

Pais helicóptero: Quais as consequências para as crianças? 

pais helicóptero

Se tem filhos, com certeza que o termo “pais helicóptero” lhe é familiar. Este conceito foi ganhando relevância nos últimos anos, sobretudo nas áreas da pedagogia e psicologia, muito devido à evolução da forma como as famílias desempenham a parentalidade. 

Este conceito relaciona-se com o modo de estar dos progenitores. Normalmente, os pais helicóptero desempenham uma parentalidade demasiado próxima da criança, traduzindo-se numa superproteção e vigilância constantes, à espreita dos eventuais perigos que possam surgir. Esta postura tem, sobretudo, impactos negativos no desenvolvimento psicossocial dos mais novos. 

Uma parentalidade positiva e ativa não deve ser sinónimo nem de um controlo exacerbado, nem de demasiada permissividade. Não é isto que torna um pai ou uma mãe melhor ou pior. Em muitos casos, demonstra insegurança da família, que passa para as crianças, tendo impactos nas diferentes dimensões do seu desenvolvimento. 

 

O que está na origem dos pais helicóptero?

As intenções dos pais helicóptero são, na maioria das vezes, positivas. Demonstram preocupação em garantir a melhor educação aos filhos e um ambiente seguro para o seu crescimento. No entanto, os comportamentos que desenvolvem tornam-se exagerados, gerando uma presença constante que limita o desenvolvimento dos mais pequenos. 

Os pais helicóptero estão sempre presentes em todos os domínios em que a criança interage, ficando ansiosos e angustiados quando o controlo é perdido ou sentem que ela corre perigo. Por outro lado, tendem a ser permissivos perante comportamentos negativos, revelando dificuldades em sancioná-los. 

Normalmente, esta postura parental surge na sequência de: 

 

1. Condições socioculturais atuais

O ambiente em que a criança se desenvolve influencia o modo como os progenitores praticam a parentalidade. Variáveis económicas, sociais, culturais, entre outras, podem estar na origem de comportamentos característicos de pais helicóptero. 

 

2. Desenvolvimento de expectativas elevadas

Há pais que definem projetos de vida para os filhos, criando determinadas expectativas. O resultado é tornarem-se bastante controladores dando pouca liberdade à criança para se desenvolver e aprender por si própria. 

 

3. Problemas de insegurança e ansiedade

Os pais helicóptero, normalmente, são inseguros, não só relativamente à criança, mas também em relação a eles próprios. Vivem sentimentos de ansiedade e medo, que passam para o modo como interagem com os filhos e os educam. 

 

4. Baixa autoestima parental

Muitas vezes, o medo de falhar enquanto pais torna-os superprotetores. É comum isto acontecer quando as competências parentais estão pouco desenvolvidas. Por outro lado, essa baixa autoestima é percetível às crianças, fazendo com que ultrapassem os limites no comportamento. 

 

5. Expectativas da sociedade quanto à parentalidade

Há pais que se subjugam às expectativas dos outros relativamente à forma como educam os filhos. Muitas vezes, esta situação torna-os ainda mais inseguros, fazendo com que desenvolvam uma parentalidade mais controladora com as crianças. 

 

Tipos de consequências de uma parentalidade helicóptero

Uma parentalidade baseada nestes pressupostos tem consequências não só para o desenvolvimento e aprendizagem da criança, mas também para a própria relação entre pais e filhos. Em situações limite, as consequências são graves, comprometendo o bem-estar dos mais pequenos e da própria família. 

Desse modo, elencamos algumas das consequências que os pais helicóptero provocam. 

 

1. Consequências no desenvolvimento de competências

  • Pais superprotetores impedem as crianças de desenvolverem a sua autonomia e independência. 
  • As crianças têm mais dificuldade em desenvolver competências relacionadas com as situações normais do dia a dia, como serem organizados com as próprias coisas, saber realizar tarefas domésticas ou reagir perante as dificuldades, por exemplo. 
  • A nível social, os mais pequenos evidenciam dificuldade em interagir com os outros, mostrando mais timidez e tendência para o isolamento. 
  • No que toca ao estudo e às tarefas escolares, têm maiores dificuldades em serem autónomos, com consequências no sucesso escolar caso não tenham apoio. 

 

2. Consequências comportamentais

  • Os filhos com pais helicópteros têm muito mais dificuldade em adaptar-se a novos contextos e isso reflete-se até na vida adulta. 
  • As crianças desenvolvem receios em arriscar e errar, pois estão habituadas a ter quem as proteja dos riscos e os evite por si.  
  • Podem desenvolver uma baixa autoestima, refletindo-se negativamente nas várias dimensões em que interagem. 

 

3. Consequências da relação pais-filhos

  • Na adolescência, surgem conflitos devido à superproteção. Os filhos começam a reagir negativamente ao controlo e à presença dos pais, sobretudo, quando as situações lhes são desfavoráveis. 
  • Uma das consequências dos pais helicóptero é levar as crianças a estabelecerem elas próprias limites e regras. Como não estão habituadas a ser contrariadas, fazem birras e chantageiam quem está à volta. 
  • Há uma dificuldade enorme em definir limites relativamente à autoridade parental. 

 

A parentalidade tem muitos desafios e nem sempre é fácil para os pais superá-los. Se procura mais informação acerca deste tema, subscreva agora o nosso blog. Encontrará diversos artigos sobre as consequências da superproteção no desenvolvimento infantil. 

 


 

Deixe uma resposta