fbpx

Saiba como reagir aos pesadelos das crianças! 

pesadelos crianças

Um sono calmo e reparador é essencial no desenvolvimento dos mais pequenos. Para isso, é fundamental adotar alguns hábitos desde cedo. No entanto, há algumas perturbações no descanso das crianças, entre as quais os pesadelos, que afetam o ciclo de sono. 

Os pesadelos nas crianças são situações naturais, que fazem parte do processo neurofisiológico do sonoDesde que não sejam muito recorrentes, com a maturação dos miúdosacabam por desaparecer e perder importância 

Contudo, do ponto de vista das crianças, nomeadamente das mais pequenas, os pesadelos são talvez um dos maiores tormentosNormalmente, ficam agitadas e com receio de que algo lhes possa acontecer. Em muitos casos, aparecem no quarto dos pais com medo de dormirem sozinhas e com receio em voltar a adormecer. 

 

Saiba como distinguir as perturbações do sono do seu filho

 

Como já foi referido, há algumas perturbações que afetam o sono das crianças. Além dos pesadelos, os terrores noturnos e o sonambulismo são outras das situações que podem interromper o repouso dos mais pequenos. 

Para os pais, é fundamental saber distinguir estas situações e agir de acordo com cada uma delas. Em todos os casos, sendo esporádicas, não devem causar alarme. Nesse sentido, para que possa identificá-las corretamente, apresentamos algumas das características de cada uma: 

 

  • Pesadelo

O pesadelo nada mais é do que um sonho que ocorre na fase REM do sono e causa medo à criança. Geralmente, ela acorda assustada e angustiada, lembrando-se daquilo com que sonhou. Isto pode levar os mais pequenos a não querer voltar a adormecer, com receio de que aquele episódio volte novamente.  

De um modo geral, os pesadelos estão associados a situações de terror e de violência vistas, por exemplo, na televisão ou Internet. Por outro lado, os pesadelos das crianças podem também estar relacionados com estados de ansiedade, provocados por mudanças de vida significativas. Quando recorrentes, deve consultar um especialista de Pedopsicologia. 

 

  • Terrores noturnos

Estes episódios, ao contrário dos pesadelos, ocorrem numa fase mais inicial do sono. Caracterizam-se pelo desespero repentino da criança enquanto dorme. Nestas situações, normalmente, ela fica transpirada, a chorar e a gritar de forma acentuada.  

Há casos em que não chega a despertar, não se lembrando da situação no dia seguinte. Estes episódios estão geralmente associados a períodos de stress e ansiedade. Tal como nos pesadelos, se ocorrerem com muita frequência, deve consultar um especialista. 

 

  • Sonambulismo

Assim como os terrores noturnos, o sonambulismo ocorre normalmente na fase inicial do sono, sendo mais comum na entrada para a adolescência. Caracteriza-se por comportamentos inconscientes das crianças enquanto dormem, revelando total apatia perante aquilo que as rodeia.  

Quando não são despertados, no dia seguinte não se lembram da situação. Nestes casos, os pais devem ter cuidados relativamente à segurança da criança. 

 

Como reagir aos pesadelos das crianças

 

Agora que sabe como identificar um pesadelo de uma criança, fique com algumas dicas para reagir perante estas situações. Não se esqueça que o sono é determinante para um desenvolvimento saudável.  

Nesse sentido, garanta à criança rotinas regulares de sono, de modo a evitar certos problemas como os pesadelos. Definir horas fixas para deitar e levantar, bem como proporcionar um ambiente calmo e tranquilo no quarto, antes de dormiré essencial. 

 

1. Evite histórias violentas ou assustadoras

Um dos passos mais importantes para a criança não ter pesadelos é evitar que esta ouça e veja histórias aterradoras ou violentas. Isso pode despoletar durante a noite sonhos assustadores para ela, causando-lhe angústia e medo. 

 

2. Tranquilize a criança

Quando a criança passa por um pesadelo o primeiro passo é tranquilizá-la. Fale-lhe de forma calma e demonstre-lhe afeto para que se sinta novamente segura. Explique-lhe que foi apenas um sonho mau, fruto da sua imaginação e que nada lhe poderá acontecer. Permaneça com ela até que se sinta calma e segura. 

 

3. Desdramatize a situação

Uma das formas para tranquilizar a criança depois de um pesadelo é não dramatizar o episódio. Se a sua preocupação for demasiado evidente, o seu filho vai aperceber-se e, assim, ficará mais inseguro 

 

4. Deixe a luz ligada

Quando os pesadelos acontecem, se ajudar a criança a sentir-se mais segura para voltar a adormecer, deixe a luz ligada. De preferência, opte por uma luz de presença que não impeça o seu filho de voltar a dormir. 

 

5. Converse no dia seguinte sobre o pesadelo

Se vir que o pesadelo atormentou a criança, no dia seguinte fale com ela sobre a situação. Tente perceber o medo que ela tem e, a partir daí, desconstruí-lo. Muitas vezes, este passo é suficiente para dar a segurança necessária para os mais pequenos não recearem o que despoletou o sonho mau. 

 

6. Deixe que a criança durma sozinha

O hábito de dormir sozinha desde cedo é fundamental para dar confiança à criança no sono. Quando um pesadelo acontece, muitas vezes, a reação dos pais é dizerem-lhe para vir para o quarto deles. Esta é uma situação que só deverá acontecer em último caso, pois este bom hábito pode perder-se. 

 

Os pesadelos são eventos naturais durante o crescimento das crianças. Se estes não forem regulares e não impedirem uma boa rotina de sono, não são preocupantes. Só quando se tornam muito frequentes é que deve considerar recorrer a um especialista. 

 

Deixe uma resposta