fbpx

Como reagir quando um filho único pede um irmão?

filho único + irmão(s)

As crianças muitas vezes surpreendem os pais com pedidos inesperados. Um dos exemplos mais comuns parte dos filhos únicos quando pedem para ter um irmão. Normalmente, este tipo de vontade surge na criança porque os amigos (ou os colegas de escola) têm irmãos ou porque sentem a falta de um parceiro de brincadeira.

Nas últimas décadas, a tendência das famílias é optarem por ter menos filhos. Muitos casais decidem ter um filho único, devido às mudanças sociais que têm acontecido nos últimos anos. O facto de tardarem a ter a primeira criança ou a falta de condições financeiras são alguns dos motivos para esta situação.

Naturalmente, a vontade de ter um irmão pode surgir na cabeça de um filho único. Sendo ou não inesperada a solicitação, a reação dos progenitores deve assentar na honestidade. Perante estes pedidos ou interrogações, o importante é explicar convenientemente à criança qual a perspetiva dos pais quanto a essa possibilidade e fundamentar as suas escolhas.

 

3 Mitos sobre filhos únicos

 

Hoje em dia, os casais são ainda alvo de juízos de valor relativamente à decisão de ter filhos. Mesmo quando optam por constituir família, surgem ideias e preconceitos associados ao filho único que os parecem querer pressionar a ter mais filhos.

Desse modo, desconstruímos alguns mitos frequentemente associados aos filhos únicos.

 

1. Uma criança sem irmãos não é feliz

Existe a ideia de que um filho único, pelo facto de não ter irmãos, é mais infeliz e solitário. No entanto, há estudos que contrariam essa hipótese, verificando até mesmo o contrário. A felicidade das crianças depende de muitos fatores, nomeadamente das condições que possam garantir o seu bem-estar. O convívio com irmãos não é um fator obrigatório para garantir a felicidade de um filho único.

 

2. Um filho único é mimado

Os preconceitos relativamente ao filho único são uma realidade. É comum ouvir-se que os filhos únicos são egoístas e mimados, em resultado do facto de não terem de dividir a atenção dos pais com outras crianças. Porém, cada caso é um caso, havendo muitas outras variáveis em causa. O comportamento psicossocial na infância não está predeterminado, havendo certamente crianças com irmãos que revelam condutas egoístas.

 

3. Crianças sem irmãos têm problemas de desenvolvimento

A opção de ter apenas um ou mais filhos tem prós e contras para toda a família. O desenvolvimento infantil vai depender dos estímulos em contexto social e familiar e não apenas do facto de as crianças terem irmãos ou não. O que se sabe é que a ausência ou existência de irmãos não interfere necessariamente no desenvolvimento físico e psicológico das crianças.

 

O que fazer quando um filho único pede um irmão?

 

Caso tenha um filho único e este manifeste vontade de ter um irmão, é importante não menosprezar a criança. Desse modo, deixamos-lhe algumas dicas para o ajudar a reagir convenientemente à questão.

 

  • Responder com transparência e honestidade

É importante não mentir e não fugir à questão. Os pais devem conversar com a criança explicando quais são os seus planos a esse nível. Se a perspetiva for de não terem mais filhos, devem fundamentar as razões para tal. Se, por outro lado, pretenderem dar-lhe um irmão, digam-lhe quando o preveem e expliquem o que isso vai implicar na vida familiar.

 

  • Reforçar a importância do bem-estar familiar

Seja qual for a perspetiva do casal, é fundamental mostrar à criança que o objetivo principal é garantir o bem-estar de todos. Devem deixar claro que o maior fator influenciador da decisão é esse: garantir o equilíbrio e a felicidade de toda a família.

 

  • Refletir em conjunto com a criança

Independentemente do projeto familiar, quando surge o pedido de um irmão, é importante refletir com o seu filho sobre as mudanças que a chegada de outra criança implicaria. Muitas vezes, os mais pequenos tendem a focar-se nas dimensões mais positivas, partindo do seu ponto de vista. No entanto, há questões menos boas que devem ser abordadas também, para evitar alguns problemas no momento da chegada de um irmão.

 

É importante realçar que todas as decisões relacionadas com o planeamento familiar são muito pessoais e cabem unicamente aos pais. A escolha de terem filhos (ou não) e a opção de terem um único filho ou vários deve ser ponderada apenas entre o casal.

Em todas as situações há vantagens e desvantagens, pelo que o mais importante é salvaguardar o bem-estar e a felicidade de todos.

 

Interessa-se por temáticas relativas ao planeamento familiar? Quer ter acesso a outros conteúdos sobre estes assuntos? Subscreva agora o blog do Externato Champagnat.

Deixe uma resposta