Youtubers: Impacto no crescimento e influências no comportamento

Youtubers

Os Youtubers intervêm, de alguma forma, no crescimento e comportamento das crianças e adolescentes. Por isso, neste artigo, abordamos os aspetos positivos e negativos desta influência.

O termo Web 2.0, que descreve a internet como um meio para a comunicação humana, caiu do trono. Consequentemente, deu lugar ao novo conceito Web 3.0, descrito como uma tecnologia digital em rede que suporta a cooperação humana.

O desenvolvimento exponencial da World Wide Web impulsionou, ademais, o crescimento do Youtube. Esta plataforma tornou-se parte da vida diária de muitas pessoas e, em alguns casos, da fonte de rendimentos. E assim nasceram os Youtubers.

Todos nós aprendemos observando os outros, aos quais chamamos modelos. Estes podem ser classificados em dois tipos:

  • Modelos vivos, como pais e professores, dos quais observamos o comportamento na vida real;
  • Modelos simbólicos, que são personagens reais ou fictícios de livros, filmes e outros meios, como o Youtube.

Copiar o comportamento de Youtubers acontece, normalmente, quando nos achamos parecidos com o modelo. Geralmente, são reproduzidas atitudes de modelos do mesmo sexo, tendo em consideração reforços e punições do ambiente que nos rodeia.

Às vezes, identificamo-nos com um determinado modelo e adotamos os seus comportamentos, valores, atitudes e crenças. É de notar que a identificação não é o mesmo que imitação (McLeod, 2016).

Se um Youtuber possui qualidades que os adolescentes adoram, é mais provável que se identifiquem com ele e copiem o seu comportamento.

 

Alguns aspetos negativos do Youtube/Youtubers

A informação partilhada pode, às vezes, incluir linguagem forte. Pode também conter conteúdo problemático relacionado com bullying, crimes de ódio, intimidação, autoflagelação e suicídio.

A propagação, por alguns Youtubers, do ensino de “barbaridades” às crianças e adolescentes acontece num curto espaço de tempo. Muitas das vezes, fica fora do alcance do controlo dos pais.

A liberdade de expressão é um ingrediente que chama a atenção de grande parte dos adolescentes. A título de mau exemplo, o Youtuber sueco PewDiePie é mundialmente conhecido e com mais de 53 milhões de seguidores por abordar uma temática que interessa a todos os adolescente: os videojogos.

Recentemente, devido a tanta notoriedade, somada à liberdade de expressão, PewDiePie teve o contrato cancelado com a Disney. Isto porque foi acusado de produzir vídeos com conteúdos racistas.

 

Alguns aspetos positivos do Youtube/Youtubers

A popularidade e o alcance de um vídeo dependem da capacidade dos Youtubers de atrair e reter espectadores. Usam, para tal, uma combinação de retórica, factos e anedotas habilidosas. Usualmente, combinam os comentários com uma música e outros mídia, o que torna o conteúdo relacionável e, às vezes, estimulante.

A troca de ideias entre Youtubers e espectadores e os comentários aos vídeos podem ajudar no desenvolvimento do espírito crítico. Levam ainda à criação de novas ideias ou até mesmo reformulação das ideias pré-concebidas no meio que nos rodeia.

O acesso a diversos tipos de informação pode ser uma grande fonte de aprendizagem. Falamos de canais de Youtube com foco em culinária, maquilhagem, tutoriais, idiomas, entre outros. Damos-lhe alguns exemplos:

 

É indiscutível a capacidade dos Youtubers de influenciar as crianças e adolescentes. Cabe-nos a nós, enquanto pais, família e professores, ajudar os jovens nesta jornada de escolhas entre o certo e o “menos certo”.

 

Luís Gonçalves
Professor de TIC
Externato Champagnat

 



Deixe uma resposta