Parentalidade positiva: Como educar sem gritos e violência?

Parentalidade Positiva

A parentalidade positiva é uma estratégia educativa que tem por base o respeito mútuo entre pais e filhos. Esta potencia o desenvolvimento emocional equilibrado das crianças.

De acordo com o Conselho da Europa, a parentalidade positiva corresponde a um comportamento parental que se baseia no melhor interesse da criança. Tem em vista a sua capacitação e a satisfação das suas necessidades principais, sem recurso à violência. Visa ainda proporcionar-lhe a orientação e o reconhecimento necessários e obriga à fixação de limites ao comportamento.

Através da parentalidade positiva, os pais tentam descobrir as causas que originam as condutas incorretas dos miúdos. Assim, podem eliminá-las sem recorrer a gritos ou violência física (como, por exemplo, as palmadas).

De maneira a conseguirem proporcionar aos filhos uma educação baseada na parentalidade positiva, os pais devem começar por compreender os princípios pelos quais esta se rege.

 

5 Princípios básicos da parentalidade positiva:

 

 1. Conhecer as necessidades das crianças

Perceber quais as necessidades básicas dos filhos é meio caminho andado para que os pais compreendam os seus comportamentos inapropriados. Condutas desadequadas, tais como birras, berros, histeria ou fúria, podem ter origem em algo que incomoda as crianças (raiva, medo, dificuldades motoras, desconsolo ou insatisfação, por exemplo).

Ao identificarem os problemas, os pais serão capazes de antecipá-los. Assim, conseguirão evitar atitudes disruptivas por parte dos filhos. Todavia, não devem confundir atender às necessidades das crianças com ceder aos seus desejos.

Quando não conseguirem evitar comportamentos incorretos, os pais devem explicar aos filhos o motivo por detrás da implementação do castigo. Estes ainda estão em processo de desenvolvimento, pelo que, por vezes, não são capazes de gerir as suas frustrações.

 

2. Estimular a aprendizagem e o desenvolvimento

Quando se fala em estimular as crianças, há que ter em consideração o seu ritmo de desenvolvimento psicomotor, emocional e social. Como tal, as expectativas dos pais relativamente às capacidades de aprendizagem e à evolução das competências dos filhos devem ser realistas e consistentes com o estágio em que estes se encontram.

De acordo com os princípios da parentalidade positiva, cabe aos progenitores proporcionar um ambiente favorável à aprendizagem das crianças. Tal pode ser conseguido com recurso a brinquedos, atividades extracurriculares, espaços e equipamentos de mobiliário ajustados à sua etapa de crescimento.

A parentalidade positiva apela ainda a que os pais potenciem o desenvolvimento das crianças com brincadeiras ao ar livre e passeios que lhes permitam explorar, experimentar, observar e interagir com a natureza, os animais e outras pessoas.

 

3. Propiciar uma comunicação positiva

Dialogar com as crianças, falando de forma clara e ouvindo-as atentamente, é importante para conhecer as suas preocupações, ansiedades e carências. Assim, os pais conseguirão resolver de forma menos desgastante as situações conflituosas geradas pelos filhos, contribuindo para um ambiente familiar harmonioso.

A parentalidade positiva alerta para o facto de as crianças sentirem necessidade de apoio e de atenção. Logo, os pais não devem descurar os incentivos e os elogios quando as crianças se comportam convenientemente. Ao expressar física ou verbalmente o seu amor e ao valorizar as qualidades positivas dos filhos, os pais estarão a contribuir para um desenvolvimento emocional salutar.

 

4. Estabelecer regras

As regras são essenciais nas rotinas quotidianas das crianças. Estabelecer horários fixos para comer, dormir, estudar, brincar, ajudar nas tarefas domésticas ou cuidar da higiene pessoal permitirá aos pais dar respostas consistentes perante uma intervenção negativa dos filhos. Por conseguinte, a atmosfera familiar será mais serena e as crianças sentirão estabilidade emocional.

 

5. Proporcionar segurança às crianças

Ao definirem empaticamente os limites e ao negociarem as regras com as crianças, os pais transmitir-lhes-ão uma sensação de segurança. Mas nem sempre os miúdos obedecem às normas impostas.

Nos casos de incumprimento, os pais devem considerar a aplicação de castigos que sejam compreensíveis. Ao impô-los de forma congruente, estarão a transmitir aos filhos uma maior consistência, e, consequentemente, mais segurança.

 

A parentalidade positiva visa o respeito dos pais pelo desenvolvimento integral das crianças, enquanto seres únicos e afetuosos. Se tiverem sensibilidade para interpretar e responder coerentemente às necessidades efetivas dos filhos, estarão a educar positivamente as crianças. Exercerão, assim, uma parentalidade eficaz, responsável e protetora.

 



Deixe uma resposta