Estilos parentais: Pais autoritários versus pais permissivos!

estilos parentais

Os estilos parentais têm uma influência direta no desenvolvimento mental e no comportamento das crianças. São definidos como um conjunto de atitudes e estratégias, enquadradas num dado contexto socio-económico-cultural, levado a cabo pelos pais relativamente à educação dos filhos. 

As famílias são consideradas o primeiro contexto de socialização das crianças. Por vezes, os pais, face a determinadas situações, socorrem-se de estratégias e atitudes diversificadas que podem encaixar-se mais em determinados estilos parentais. Porém, os vários regimes estão longe de ser semelhantes. 

De um modo geral, existem 3 estilos parentais: autoritário, democrático (ou compreensivo) e permissivo. Considerando que a maioria dos pais se preocupa em preparar os filhos para um futuro equilibrado, feliz e de sucesso, explicamos-lhe de seguida as características de cada regime parental. 

 

3 Estilos parentais a adotar na educação dos filhos 

 1. Estilo autoritário 

Pais autoritários recorrem geralmente ao controlo. Apresentam normas de conduta rígidas e regras inquebráveis. São muito intransigentes e procuram modelar o comportamento das crianças de acordo com os seus padrões morais e valores absolutos. O recurso a medidas punitivas é a forma mais usual de se imporem face aos comportamentos desobedientes das crianças. 

Neste regime parental, as crianças não são encorajadas a exprimir os seus sentimentos, não havendo valorização do diálogo. Por isso, revelam sintomas de ansiedade e de insegurança elevados, são mais hesitantes, têm baixa autoestima, tendência para a depressão e isolamento e dificuldade em estabelecer amizades. Além disso, são crianças que não apreciam trabalhos autónomos e de grupo, não participam de forma ativa nas aulas e demonstram enorme receio em obter baixo aproveitamento escolar. 

2. Estilo democrático 

Os pais democráticos exercem um controlo firme e consistente de forma racional. Valorizam o equilíbrio entre a obediência e a autonomia, são exigentes mas afetuosos, dando espaço para as crianças dialogarem e negociarem, respeitando a sua individualidade. São pais que apreciam a comunicação clara, aberta e franca com os seus filhos, sendo o respeito e a tolerância mútuos a base dos seus valores. 

regime democrático, em comparação com os restantes estilos parentais, favorece a compreensão das regras e dos limites impostos. Por conseguinte, os filhos de pais democráticos tendem a revelar um bom desenvolvimento psicossocial, melhor desempenho cognitivo e rendimento escolar, bem como menos problemas atitudinais e maior envolvimento na escola. São crianças com responsabilidade social e capacidade de adaptação, mais assertivas e autoconfiantes. Ademais, apresentam maior sucesso escolar. 

 3. Estilo permissivo 

Pais permissivos evitam o estabelecimento de regras. Não definem normas precisas e permitem que os filhos tenham total autonomia na tomada de decisões, mesmo que estes não possuam maturidade suficiente para tal. Basicamente, são pais mais ausentes na educação dos filhos. 

As crianças educadas neste tipo de estilos parentais apresentam frequentemente elevada imaturidade e dificuldade em gerir sentimentos perante situações de frustração. Têm comportamentos disruptivos, são rebeldes e propensas a envolverem-se em situações de risco. De um modo geral, apresentam fraco aproveitamento escolar e baixa assiduidade. 

 



Deixe uma resposta