Alimentação infantil: cuidados a ter em cada fase da infância!

Alimentação

Alimentação infantil é uma das grandes preocupações dos pediatras e nutricionistas hoje em dia. Esta tem sido, igualmente, uma das inquietações referenciadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo essa entidade, urge que os pais compreendam o quão fundamental é uma alimentação infantil salutar. Na verdade, a par com o constante bombardeio diário de anúncios referentes a alimentos ditos essenciais em termos nutritivos para uma alimentação saudável das crianças (quando é erróneo), tem ocorrido, especialmente, nas áreas urbanas, o aumento de hábitos alimentares pouco saudáveis. As crianças ingerem cada vez mais alimentos pouco nutritivos e demasiadamente calóricos. A necessidade, nas faixas etárias mais novas, de uma mudança de hábitos alimentares menos saudáveis para uma alimentação mais variada e equilibrada é, sem dúvida, crucial. E, de acordo com os especialistas, essa mudança cabe aos responsáveis pela educação e criação das crianças: os pais!

Nesta linha, é necessário que os pais estejam mais atentos àquilo que dão de comer aos filhos. Só que, para isso, é fundamental que estejam bem informados. O primeiro passo implica que os pais entendam o papel da alimentação saudável no bem-estar físico, emocional e social da criança. De facto, as bases da alimentação para a vida são estabelecidas aquando a infância.

O segundo passo pressupõe que percebam que cada fase de desenvolvimento da criança é afetada diretamente pelos seus hábitos alimentares. Na verdade, hábitos alimentares incorretos na infância repercutem-se na alimentação do futuro adulto. Como, por exemplo, no aparecimento precoce de doenças como obesidade, doenças cardio-vasculares e/ou diabetes.

O terceiro passo implica que os pais compreendam que cada criança tem uma necessidade nutricional diferente. Comer mais ou menos às refeições não significa que a criança se alimente mal.

 

A diversificação alimentar na infância.

Primeiramente convém esclarecer que, a quantidade de alimentos dentro de cada grupo da Roda dos Alimentos a ser ingerida por uma criança varia ao longo das fases da infância. Por exemplo, na fase lactente, a ingestão de alimentos ricos em vitamina C é primordial para o bom desenvolvimento do sistema imunitário. Já na fase pré-escolar, o consumo de alimentos ricos em ferro é importantíssimo para o metabolismo celular. Com o crescimento da criança, aparecimento dos dentes e desenvolvimento da massa óssea, a ingestão de alimentos rico em cálcio passa a ser fundamental. Então, deverão ocorrer reforços de determinados alimentos e a manutenção de outros, de acordo com as carências nutritivas de cada uma das fases de desenvolvimento das crianças.

Por outro lado, é importante que os pais compreendam que, ao oferecer desde as primeiras refeições, alimentos variados aos seus filhos, estão a permitir que estes experimentem diferentes sabores, aprimorando-lhes o palato, ao mesmo tempo que incutem o hábito de comer frutas, legumes e leguminosas.

Assim, se o desenvolvimento das preferências e gostos alimentares se iniciam na infância, os pais devem ensinar os seus filhos a alimentarem-se de forma adequada às suas necessidades e a criarem hábitos alimentares salutares.

 

As fases infantis e os hábitos alimentares.

  1. Fase lactente ou bebé maior

Se até aos seis meses o único alimento indicado para a alimentação da criança é o leite materno (ou seu substituto), a partir dos seis meses e até aos 2 anos os pais devem começar a introduzir, lenta e gradualmente, alimentos complementares como cereais, tubérculos, carnes, peixe, leguminosas, frutas, lacticínios, gorduras e legumes. Evitar açúcares, refrigerantes, guloseimas, salgados e fritos é essencial nesta fase de desenvolvimento infantil. Ademais, os especialistas salientam que a criação do hábito das 5 refeições diárias começa aqui!

  1. Fase pré-escolar

Entre os 2 anos e os 5 anos, os pais devem continuar a estimular a ingestão de frutas, legumes, cereais, leguminosas, tubérculos e carnes, e reduzir nas gorduras, de forma variada e equilibrada, bem como ajustada às necessidades nutricionais da criança. Alimentos demasiadissimamente ricos em açúcares ou excessivamente salgados devem ser evitados no cardápio das refeições diárias das crianças. Nesta fase, a definição de horários regulares para as refeições é imprescindível. É necessário promover na criança hábitos de consumo adequados.

  1. Fase escolar

A partir dos seis anos é primordial o consumo diário e variado de frutas, legumes e cereais, entre e durante as refeições principais. Além disso, é fundamental o controlo do peso da criança, evitando-se a ingestão de alimentos excessivamente calóricos.

Independentemente da fase infantil em que uma criança se encontre, duas ideias persistem:

  • a alimentação saudável, variada e equilibrada deve fazer parte da educação das crianças, pois só assim se tornarão adultos salutares.
  • o papel dos pais na criação de hábitos alimentares adequados é crucial!

 



Deixe uma resposta